quarta-feira, 17 de março de 2021

Serviço de nutrição do Complexo de Patos passa a ser gerido por autogestão com ganhos para a dieta dos pacientes, acompanhantes e funcionários


A alimentação tem grande importância na saúde e especialmente na atuação do processo saúde-doença. Como a Nutrologia atua para evitar que o paciente sofra com déficits nutricionais, preservando-o de complicações decorrentes do desequilíbrio metabólico, ao propiciar uma alimentação saudável, equilibrada e que promova a recuperação calórica do paciente a instituição hospitalar está também cumprindo um importante papel. E foi com esse foco, de melhorar ainda mais a qualidade das refeições ofertadas todos os dias para os pacientes, em seis diferentes formatos, que o serviço de Nutrição do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos (CHRDJC) deixou de ser terceirizado e passou, agora em março, para autogestão.

A nutricionista clínica, Luciana Wanderley, uma das profissionais responsáveis pelo Serviço no Complexo, explica a importância da nutrição num ambiente hospitalar. “A qualidade de uma alimentação afeta diretamente a saúde de um indivíduo e um profissional de nutrição inserido dentro de uma unidade hospitalar é de suma importância para manter a ingesta protéica calórica e dos micronutrientes não só dos pacientes como dos funcionários”, afirma ela, lembrando que já está comprovado que a intervenção de uma dieta balanceada diminui o tempo de internação. “Hoje, não conseguimos mais falar de saúde sem falar da importância da nutrição. uma boa nutrição é profilaxia para uma gama enorme de doenças e é tratamento auxiliar em outras. Não podemos mais separar a idéia de saúde física sem uma alimentação de qualidade e balanceada”, diz ela.

O diretor geral do Complexo, Francisco Guedes, explica que a mudança da terceirização para autogestão faz parte das ações de melhoria implementadas, desde o ano passado, na unidade. “Após analisar com mais profundidade o serviço, chegamos à conclusão que a terceirização não era mais a melhor forma de gerir a nutrição da unidade, então optamos por migrar desse sistema, para a autogestão, otimizando custos e, sobretudo, melhorando a qualidade de nossas refeições”, diz o diretor, destacando que com essa mudança foi possível unir a nutrição clínica com a de produção, o que melhorou consideravelmente a qualidade das refeições servidas não apenas para os pacientes e seus acompanhantes, mas também para funcionários, incluindo ai um olhar especial para a dieta de pacientes e funcionários que apresentam comorbidades e ainda reduzir custos, que será revertido em mais qualidade de serviço.

Luciana explica que, atualmente, são servidas seis refeições todos os dias para os pacientes do Complexo, num total de 900 refeições/dia, mais 120 refeições/dia para os pacientes do setor de Hemodiálise, estes de segunda a sábado, que são os dias de realização do serviço. Também são servidas três refeições para acompanhantes, num total de 160 refeições/dia, em média. Fora disso, os funcionários plantonistas noturno ainda têm três refeições e os plantonistas diurnos que antes da autogestão recebiam duas refeições/dia, agora passarão a ter direito a três, num total de mais 670 refeições/dia.

Pacientes do Complexo fazem seis refeições/dia, ou seja, desjejum (7h), colação (9h), almoço (12h), lanche (15h), jantar (18h) e ceia (21h). Funcionários, atualmente, têm cinco refeições/dia, a saber: desjejum (6h30 às 7h), colação (será também incluso), almoço (11h30 às 13h), lanche (15h às 16h), jantar (20h às 21h) e ceia (23 às 24h). Os acompanhantes têm o desjejum às 7h, o almoço de 11h as 11h30 e o jantar das 19h às 20h. “Por essa quantidade de refeições, você imagina a movimentação da cozinha e copa para assegurar pontualidade nos horários e qualidade das refeições servidas. Nutrição é um serviço fundamental em qualquer local, mas numa instituição hospitalar, onde a dieta é imprescindível para recuperação da saúde, é mais ainda”, reitera Luciana. Ela lembra que a migração do sistema terceirizado para a autogestão não comprometeu a continuidade do serviço porque a direção se programou com compras emergenciais para que não ocorresse nenhuma interrupção ou comprometimento do serviço e que ao longo do ano serão incorporado um cardápio especial em datas de celebração, a exemplo do dia da Mulher, das Mães, no Natal, etc.

E para dar conta de tantas refeições diariamente, a equipe de Nutrição do Complexo é composta pelos nutricionistas Cristiane Oliveira, Elaine Penha, Janaína Dantas, Raquel Marques, Rhayany Nóbrega, além de Luciana Wanderley e Marcos Sousa. A equipe de apoio e cozinha é formada por dois cozinheiros plantonistas e um diarista, seis auxiliares de cozinha, um copeiro, três copeiros de pacientes, dois auxiliares de serviços gerais, quatro sondaristas e ainda dois copeiros noturnos.









Assessoria

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only