segunda-feira, 29 de março de 2021

Dica 5 do enfermeiro de Teixeira, Jonas Santos sobre o coronavírus. Confira!


A preocupação com o novo coronavírus (Covid-19), fez com que o enfermeiro de Teixeira, Jonas Santos, iniciasse a dar dicas no combate a pandemia.

Todos os dias o profissional da saúde irá direcionar uma ajudar de prevenção ou convivência com o vírus.

A dica 05 é:

🎯 VACINAS CONTRA A COVID-19

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), existem por volta 200 vacinas contra a COVID-19 em estudo, sendo que mais de 60 destas já chegaram à fase de experimentação em humanos (estudos clínicos).

Apesar das diferentes abordagens, todas as vacinas têm por objetivo induzir a resposta imunológica do organismo, fazendo com que este produza defesas contra o vírus da COVID-19.

➡️ Tipos de vacina contra a COVID 19: O que temos aprovado e em análise para uso no Brasil?

Por ora, a CoronaVac e os imunizantes de Pfizer e AstraZeneca/Oxford foram aprovados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Enquanto isso, outras farmacêuticas seguem negociando com o governo brasileiro.

Para entender melhor a situação de cada uma, confira abaixo as diferenças e os principais pontos das vacinas:

🛑 Butantan/CoronaVac

🔸Eficácia
A eficácia geral da CoronaVac é 50,38%, ou seja, os vacinados têm 50,38% menos risco de adoecer e, caso pegue covid-19, a vacina oferece 100% de eficácia para não adoecer gravemente e 78% para prevenir casos leves.

🔸No Brasil
A vacina foi criada na China pela farmacêutica Sinovac, mas, no Brasil, a parceria com transferência de tecnologia foi feita com o Instituto Butantan. Os testes para estudos clínicos com a CoronaVac começaram em julho de 2020 em oitos estados brasileiros. O estudo foi realizado com 13.060 voluntários, todos profissionais da saúde e expostos diariamente à covid-19.
A aplicação da vacina começou no dia 17 de janeiro após aprovação emergencial da Anvisa. No dia 12 de março, o imunizante teve o registro definitivo aprovado.

🛑 Oxford/AstraZeneca/Fiocruz

🔸Eficácia
A AstraZeneca e a Universidade de Oxford anunciaram dois resultados distintos de eficácia desta vacina —62% quando aplicada em duas doses completas e 90% com meia dose seguida de outra completa. A eficácia média, segundo os cientistas responsáveis, é de 70%.

🔸No Brasil
A vacina foi criada no Reino Unido em uma parceria entre a Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca. No Brasil, houve a transferência de tecnologia para Bio-Manguinhos, a unidade produtora de imunobiológicos da Fiocruz. Voluntários brasileiros também participaram da fase de testes: foram 10 mil pessoas no total em cinco estados.
A vacina já começou a ser aplicada no Brasil.

🛑 Pfizer/BioNTech

🔸Eficácia
A farmacêutica Pfizer anunciou hoje que sua vacina contra a covid-19, elaborada em parceria com a empresa alemã BioNTech, é segura e tem 95% de eficácia. Essa é a conclusão final da terceira fase de testes.

🔸No Brasil
A vacina foi testada em 43,5 mil pessoas de seis países. No Brasil, os testes foram feitos em São Paulo e Bahia. No dia 23 de fevereiro, o imunizante teve o registro definitivo aprovado pela Anvisa. Em 19 de março, o governo Bolsonaro assinou contrato de compra de 100 milhões de doses com o laboratório. A vacina já está sendo aplicada em diversos países do mundo.

🛑 Moderna

🔸Eficácia
Um estudo publicado por cientistas independentes no New England Journal of Medicine confirmou que a vacina da Moderna tem eficácia de 94,1% na prevenção da doença.

🔸No Brasil
Diferente das vacinas citadas anteriormente, a Moderna não realizou testes no Brasil. Já aprovada e utilizada na União Europeia, nos Estados Unidos e em outros países, o Brasil segue sem nenhum acordo com a farmacêutica. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que poderá comprar doses da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela empresa norte-americana, mas não abordou detalhes de como o acordo poderia ocorrer.

🛑 Sputnik V/Instituto Gamaleya

🔸Eficácia
A vacina tem eficácia de 91,6% contra a covid-19 em suas manifestações sintomáticas, segundo uma análise dos testes clínicos publicada pelo periódico The Lancet e validada por especialistas independentes.

🔸No Brasil
A União Química, farmacêutica responsável pelo imunizante de origem russa no Brasil, protocolou um pedido de uso emergencial da Sputnik V na Anvisa em 26 de março.
Ela já é administrada na Rússia e em outros países, como Argentina e Argélia. No começo de março, o Ministério da Saúde assinou contrato para receber 10 milhões de doses da Sputnik V.

🛑 Janssen

🔸Eficácia
Em janeiro deste ano, a farmacêutica anunciou eficácia global da vacina de 66%. Em março, a Janssen informou que o imunizante contra covid-19 tem 87% de eficácia contra formas graves da variante brasileira.

🔸No Brasil
No dia 24 de março, a Anvisa recebeu o pedido de registro emergencial da vacina da Janssen. No dia 19 de março, o governo assinou contrato de compra de 38 milhões de doses, mas sem data exata de entrega.

Dica- Jonas Santos

Teixeira em Foco

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only