terça-feira, 19 de janeiro de 2021

Petrobras anuncia aumento de mais de 8% na gasolina a partir desta terça-feira


A nova estratégia da Petrobras é não divulgar o percentual de reajuste dos combustíveis, mas apenas o preço praticado nas refinarias, distante da realidade das bombas. Segundo anunciou nesta segunda-feira (18/1), a partir de terça-feira (19), “o preço médio de venda de gasolina da Petrobras para as distribuidoras passará a ser de R$ 1,98 por litro, refletindo um aumento médio de R$ 0,15 por litro no preço de venda”. Apesar de questionada pela reportagem sobre o percentual de reajuste, a Petrobras não respondeu.

O cálculo sobre a alta de R$ 1,83 por litro para R$ 1,98, considerando os R$ 0,15 médios de aumento médio informados pela petroleira, é de um salto de quase 8,2% no preço do combustível. Apesar de não informar o percentual, em nota, a empresa argumenta que “contribui para a transparência de preços para a sociedade” ao publicar, em seu site, “dados referentes aos seus preços de venda às distribuidoras dos seus principais produtos”.

Desde 7 de agosto de 2019, os preços passaram a ser publicados, por local e modalidade de venda, no formato determinado pela Resolução ANP nº 795/2019. “Os novos preços são acrescentados no arquivo disponibilizado a partir da sua data de vigência, sem exclusão da vigência anterior. Dessa forma, é possível acompanhar a evolução dos preços por local”, explicou.

Vale lembrar que a empresa não dá a informação voluntariamente, apenas em resposta a um pedido formal, o que é feito diariamente pela reportagem do Correio.

A estatal disse, ainda, que “os preços praticados têm como referência os preços de paridade de importação e, desta maneira, acompanham as variações do valor do produto no mercado internacional e da taxa de câmbio, para cima e para baixo. No ano de 2020, o preço médio da gasolina comercializada pela Petrobras atingiu mínimo de R$ 0,91 por litro.”

Gasolina vendida na bomba

A empresa ressaltou que o preço da gasolina vendida na bomba do posto revendedor é diferente do valor cobrado nas refinarias pela Petrobras. “Até chegar ao consumidor são acrescidos tributos federais e estaduais, custos para aquisição e mistura obrigatória de biocombustíveis pelas distribuidoras, além das margens brutas das companhias distribuidoras e dos próprios postos revendedores de combustíveis”.

Para justificar a afirmação, a companhia publicou um gráfico no qual apresenta os preços médios ao consumidor e sua composição nas 13 principais capitais do país para as semanas de 29/12/2019 a 04/01/2020 e de 03/01/2021 a 09/01/2021. “Pode-se observar que a participação dos preços de realização da Petrobras na composição de preços ao consumidor de gasolina caiu de 31% para 29%”, alegou.

No gráfico, o valor da gasolina era de R$ 4,58 na primeira semana de avaliação e passou a R$ 4,62 na segunda semana, terminada em 9 de janeiro. As variações mais significativas entre um período e outro, segundo o levantamento informado pela Petrobras, foram o aumento de 11% para 12% nas margens das distribuidoras e revendedoras e a elevação de 14% para 15% no etanol anidro, que é acrescentado na proporção de 27% na gasolina.

A Petrobras também fez questão de divulgar que, segundo dados do Global Petrol Prices, em 11 de janeiro de 2021, o preço médio ao consumidor de gasolina no Brasil era o 52º mais barato dentre 165 pesquisados, estando 21,6% abaixo da média de US$ 1,05 por litro.

Simone Kafruni – Correio Braziliense

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only