sábado, 16 de janeiro de 2021

Hospital do Bem, em Patos, realizou quase 6 mil consultas e mais de duas mil sessões de quimioterapia em 2020


Mesmo em um ano atípico de pandemia, o Hospital do Bem, que integra o Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos (CHRDJC), não apenas manteve a prestação de serviços aos seus pacientes sem interrupção de tratamentos, como aumentou o número de atendimentos em relação a 2019, registrando um incremento de 93% no número de sessões de quimioterapia e 23% nas consultas no ambulatório de oncologia. “Redobramos os cuidados por causa da pandemia, já que os pacientes de câncer têm sua imunidade baixa e fechamos 2020 com um saldo muito positivo, inclusive de ampliação de atendimentos”, destaca o diretor geral do Complexo, Francisco Guedes. Em 2020, o Hospital do Bem atendeu pacientes de 103 municípios, sendo a maior demanda de Patos, com um índice de 23%, o equivalente a 1.823 pacientes.

O balaço anual de prestação de serviços do Hospital do Bem, que é referência no tratamento oncológico para quatro tipos de câncer – Mama, Próstata, Pele e Útero – atesta que a unidade realizou 5.944 consultas e 2.463 sessões de quimioterapia, além de 507 cirurgias no ano passado. “Estabelecemos condutas e rotinas que protegessem ainda mais nossos pacientes, inclusive, não permitindo mais acompanhantes durante as sessões de quimioterapia para protegê-los da pandemia no ambiente do hospital e mantivemos nossos serviços assegurando a continuidade dos tratamentos aos nossos pacientes”, reitera o diretor geral.

Além de Patos, os 15 municípios que mais referenciaram pacientes para o Hospital do Bem foram Sousa, com 355, Pombal, com 325, Santa Luzia, com 244, Coremas, com 167, Água Branca, com 153, Mãe D´água, com 111, Itaporanga, com 106, Teixeira, com 106, Paulista, com 101, Desterro, com 97, Condado, com 94, São Mamede, com 93, Brejo dos Santos, com 89 e Juru, com 87 pacientes.

A oncologista Nayarah Castro, que integra a equipe médica do Hospital do Bem, reforça a importância da unidade ter mantido seus serviços mesmo em meio à pandemia. “O tratamento do câncer é uma prioridade e não deve ser interrompido, pois o risco do câncer progredir ou a pessoa vir a falecer de um câncer, é bem maior do que o paciente falecer pelo novo coronavírus. O paciente que tem câncer deve se preocupar com o tratamento dele e isso foi uma prioridade para nós mesmo neste ano tão atípico como foi 2020”, reforça a médica, lembrando que a orientação de não interrupção de tratamento é da própria Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC).




Assessoria

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only