sábado, 16 de janeiro de 2021

Administrador perde pai e mãe no mesmo dia por falta de oxigênio em Manaus: ‘Aterrorizante’


O administrador de empresas Iyad Hajoj perdeu o pai e a mãe no mesmo dia por falta de oxigênio em Manaus. Os dois estavam internados no Hospital Getúlio Vargas com Covid-19, o pai na UTI e a mãe na enfermaria, mas ambos não resistiram à falta de oxigênio.

Na quinta-feira (14), Iyad esteve na unidade de saúde para reconhecer os corpos dos pais. Um dia antes, ele chegou a ver a mãe no hospital e revelou que em nenhum momento foi avisado que estava com falta de oxigênio no local.

Em entrevista à apresentadora Aline Midlej, da GloboNews, ele falou sobre a perda.

“Foi o dia mais aterrorizante que eu não desejo para absolutamente ninguém. Fui infectado pela Covid porque tive que cuidar dos dois e tive que reconhecer o corpo dos dois”, explicou o administrador.

Os pais de Iyad faleceram com cerca de uma hora entre um e outro. Em seu depoimento, ele ressaltou que seus pai eram trabalhadores imigrantes, pagavam impostos, e que morreram sem um tratamento digno.

“O mínimo que eles podiam fazer era ter o básico: que era ar. A gente entende que estamos num momento crítico, mas faltar o básico é algo irreparável. Perder e enterrar os pais, no mesmo dia, não tem quem suporte”, disse Iyad, emocionado.

Colapso na saúde

Manaus enfrenta colapso no sistema de saúde pela falta de oxigênio nos hospitais. O caos piorou com o aumento de recorde de internações por Covid-19 no estado.

Sem oxigênio, o governo começou, nesta quinta (14), a transferência de 235 pacientes com Covid do Amazonas para outros estados. O maior pronto-socorro do estado, HPS 28 de Agosto, passou a recusar pacientes por conta de superlotação.

De acordo com o Ministério da Saúde, a medida atende a uma solicitação do Governo do Amazonas para recém-nascidos que estavam no limite de oxigênio. A pasta informou, ainda, que busca mais balas de oxigênio para que os prematuros não precisem ser transferidos para outros estados.

O Governo Federal informou que irá prestar apoio em todo o processo logístico de remoção. Nesta quinta, a Justiça determinou que a União também realiza, imediatamente, a transferência de pacientes que podem morrer pela falta de oxigênio.

Hospitais lotados e sem oxigênio

O caos que instalou na Saúde de Manaus começou com o aumento de internações por Covid, que lotou os hospitais. Com a demanda, o oxigênio nas unidades foi insuficiente e as empresas fornecedoras no estado não conseguiram atender a necessidade, que ficou seis vezes maior.

Nesta sexta, o Hospital Delphina Aziz, referência para tratamento de casos de Covid, anunciou superlotação. Por conta disso, o Exército começou a montar uma enfermaria de campanha na frente da unidade, que deve disponibilizar 60 leitos.

O maior pronto-socorro do Estado, HPS 28 de Agosto, também começou a recusar novos pacientes, nesta sexta, por conta de superlotação. Ambulâncias com doentes que chegavam na unidade tiveram que voltar para buscar vaga em outros hospitais.

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only